Transtorno de Ansiedade Social – TAS

O Transtorno de Ansiedade Social é um Transtorno de Ansiedade, e o mais debilitante, pois afeta drasticamente a funcionalidade do indivíduo na vida familiar, social e trabalho, caracteriza-se pela dificuldade de relacionar-se com o outro, algo que deveria ser eficaz e prazeroso. É mais comum em mulheres, com início na adolescência e com histórico de timidez ou inibição social desde a infância.

A característica mais relevante é o medo acentuado e persistente de situações sociais, desempenho e a avaliação de outras pessoas em vários contextos. A exposição a essas situações causa uma resposta intensa de ansiedade, semelhante a uma crise de pânico. Os indivíduos com TAS diante da exposição à estímulos temidos experimentam sintomas físicos de ansiedade, como: tremores, taquicardia, sudorese, diarreia, desconforto gastrointestinal, tensão muscular, rubor facial, confusão, etc.

Sendo assim, a tendência é a evitação de situações como: falar em público, trabalhar na frente dos outros, olhar diretamente nos olhos de estranhos, realizar um teste, dar uma festa, ir a uma festa, paquerar, conhecer novas pessoas, falar ao telefone com estranhos, comer ou beber em público, assinar na frente de outras pessoas, adentrar em locais onde as pessoas já estejam presentes, urinar em banheiro público, falar com pessoas do sexo oposto, lidar com figuras de autoridade, reclamar ou devolver uma mercadoria em lojas, ser observado ou ser o centro das atenções, entre outras.

Outro fator que está presente nas pessoas com TAS, é a ansiedade antecipatória que acontece antes do advento das situações sociais ou públicas, por exemplo: preocupar-se todos os dias, por várias semanas, antes de comparecer a um evento social-uma festa, o que acarreta em um círculo vicioso.

O Transtorno de Ansiedade Social gera muito prejuízo e sofrimento.

A Terapia Cognitivo Comportamental é indicada para o tratamento, pois utiliza: técnicas de treino  de  habilidades  sociais-THS e  de  assertividade para diminuir sentimento de impotência e raiva e proporcionar mais segurança; técnicas de reestruturação  cognitiva que busca  tornar  pensamentos  e  crenças  disfuncionais  em  mais adaptativos, separando o real do imaginário; técnicas de manejo  do estresse  e  relaxamento que envolve aplicação de exercícios de respiração e relaxamento para que o paciente aprenda a controlar sintomas fisiológicos próprias da ansiedade; técnicas de exposição- o  paciente  irá  reviver situações que lhe  causam ansiedade por meio do confronto das situações ao vivo ou na imaginação, ajudando-o a encarar a situação, reduzindo a ansiedade e o comportamento fóbico.

Compartilhe com seus amigos

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest